Amoresssss, pouco mais de um mês atrás uma amiga me mandou um texto sobre a experiência dela com amamentação, chupeta, desfralde e mamadeira mas a correria foi tanta que deixei em stand-by para uma hora que eu estivesse mais tranquila para postar pra vocês.
Cada bebê/criança é de uma forma e cada detalhe pode ajudar, então quando mais experiências melhor:
Hoje a Michelle Moraes Roque conta:
Quando engravidamos, ninguém ou nenhum livro nos conta das dificuldades que vamos ter ao longo dos anos com as nossas crianças. Primeiro, começa com a amamentação que, apesar de ser uma das fases mais lindas, não seja lá muito fácil no começo né. Mas damos conta! Hoje vim contar minha experiência com o meu filho que hoje está com 3 anos e 9 meses.
Como já disse, passei (passamos) por alguns perrengues e o meu começou nos 3 primeiros dias de vida dele, pois ele não pegou meu peito e eu achava que estava alimentando-o, mas era pura ilusão. Na primeira noite em que chegamos em casa com ele, chorou horas seguidas e como o bico do meu peito é invertido, imaginei que poderia ser fome. Nao pensei em tirar e dar na mamadeira, nem pensei nisso, queria dar no peito, que ele sugasse o colostro. Resolvi no outro dia ir até a Maternidade Odethe Valadares aqui em Belo Horizonte, onde eles ajudam as mães que não estão conseguindo amamentar seus filhos. Corri para lá no outro dia cedo. Quatro pessoas vieram me ajudar, ou pelo menos tentar, mas o danado nao pegava meu peito de jeito nenhum. O que me restou na noite seguinte foi tirar leite na colherzinha e dar na boquinha dele. Aja paciencia e força!!!rsrs. Foi uma noite longa, mas pelo menos ele amamentou o que precisava e nunca iria deixar ele com fome, faria qualquer coisa! Acabou que a pediatra do André me indicou dar com bico de silicone, o que me salvou nos 7 meses em que o amamentei. E essa foi uma das primeiras “dificuldades” nesse mundo maravilhoso de ser mãe!
 
Além das noites mal dormidas e etc, como todas nós sabemos, o que me chamou atenção também até hoje foram as preocupações digamos, “bobas”, mas que sofri e hoje vejo que não era um bicho de 7 cabeças como imaginava como por exemplo:
 
– Tirar bico: Foi um processo em que eu não sabia ou não tinha nenhuma referência de como fazer. Chegou em um ponto em que 5 bicos na minha bolsa já estava me deixando de cabelo em pé, pois não poderia esquecer de jeito nenhum de levar para o lugar que eu fosse. Olhei na internet dicas de como tirar, mas nada funcionava. Um dia, pensei em inventar uma história, não tinha nada a perder ne! Falei com o André que havia um menininho na rua que estava chorando (aproveitei o choro do bebe vizinho-rsrsrs) porque ele não tinha bico e como ele estava grande já e não precisava, que tal darmos ao menino? Ele topou!!!!!! Coloquei na mesma hora em um saquinho e fingi sair de casa para levar ao menino. Voltei e ele ficou alegre em poder ajudar “a criança”. Ficou uns 2 dias pedindo o “bu”, e esqueceu… nunca mais pediu!! Ufa!!!! rs.
 
– Desfralde: foi um tópico dos mais complicados que achei. Não sei quem tem meninas e sei que cada criança tem seu tempo, mas sempre me falaram que menino é mais difícil tirar fralda. Realmente! Fui tirando aos poucos, aproveitei o calor para que ficasse sem fralda e com cueca e varios xixis na calça.rsrsrs. A escola confesso que me ajudou muito nesse processo, pois ele vendo que os coleguinhas também não usavam fralda me ajudou. E assim foi. Ate que ele mesmo começou a acordar de madrugada e me pedir para ir ao banheiro, pois nessa época ele ainda fazia xixi sentado e nao alcançava o vaso. Para o xixi achei até mais tranquilo do que imaginava,poisaos poucos ele foi aprendendo a pedir (mas demorou também ao deixar de fazer na cama ou em cima de mim…rs). A parte pior foi a fase do cocô. Mesmo já tirado a fralda, na hora de fazer o coco eu ainda colocava fralda, ele me pedia isso, pois nao estava preparado para fazer no vaso sozinho. Só que o processo foi mais longo do que do xixi e isso me preocupou um pouco. Temos mania de comparar nossos filhos com os dos outros e isso me fazia sentir a pior mae do mundo! Como todos os coleguinhas já haviam feito desfralde e meu filho ainda não? Mais uma vez recorri à internet e opinião de outras mães… fiz um pouco de tudo que eu lia e nada adiantava. Prometia presente, contava historias com ele no vaso, comprei peniquinho, etc… e nada! Um dia, eu contando histórias no banheiro mais ou menos 30min sentada, rezando que desse certo, ele fez e nem viu e comemorou!!!!!!!! Fizemos uma festa, demos tchau ao cocô, inventamos musica, rs…. e, a partir desse dia, ele agora está independente! Um rapazinho!!! 
 
– Mamadeira: esse era ultimamente o que estava tirando meu sono. Uma criança com quase 4 anos tomando mamadeira? Era certo ou errado? Na minha cabeça era errado, mas nao tinha nada a se fazer. Comprei vaaaaaaaarios tipos de copos para ver se ele mudava, mas não, queria apenas as “dedeiras” dele. Vou contar uma história rápida. Semana passada, um coleguinha na saída da escola trombou no André e ele rachou a boca, nariz e cabeça no chão. Depois de tanto sangue, corri ao hospital para ver a necessidade de dar pontos e fazer um raio X na cabça, já que o tombo havia sido forte. Como boca de criança cicatriza em uma rapidez hein! Nunca havia visto!!!! Enfim. Chegamos em casa com os cuidados passados pela pediatra de plantão: dar muito sorvete (e nao precisou dos pontos) para ajudar na cicatrização. Que delícia!! Mas eu não imaginava que com isso tudo, ele nao iria querer mais tomar A mamadeira. Como? Porque? Fiquei sem entender… mas de repente ele nao quer mais. Não fiz esforço nenhum. Agora é introduzir alimentos que tenham leite, pois ele nao quer beber nada. Trauma do tombo e boca mega inchada? Talvez. Mas me ajudou… pena que dessa forma, mas me ajudou.
 
E, depois disso tudo e outras coisas mais que passamos no dia a dia com nossos filhos (filhos de amigos e familia) descobri sabe o que? Que tudo tem o seu tempo. Cada criança tem o seu tempo de TUDO!!!! Não adianta desesperar ou querer fazer as coisas funcionem no NOSSO tempo que nao vai dar certo. Nao mesmo!!! Para tudo nessa vida tem o tempo de cada coisa… como mais exemplos:eles falarem, andarem, engatinhar, etc.  Não sei se ser assim é apenas mãe de primeira viagem, acredito que sim, mas sabe o que é melhor fazer? Aproveite seu filho e quando tiver que ser, vai acontecer!!!! 
michelle
Ajudou??
E você? Tem alguma experiência que pode ajudar? Manda pra gente! [email protected]
Bjooossss

 

Sobre Aninha

Mãe de um trio de meninas: Bruna (6), Clara (4) e Alice (2). Dedico meu tempo à minha família e ao LookBebê. Antenada, adoro redes sociais e tecnologia e mais ainda, compartilhar conhecimento e informações sobre a maternidade. Sou (fui) Biomédica, pós-graduada em Engenharia Biomédica, mas optei por mergulhar de cabeça na maternidade.