Outro dia uma amiga me perguntou o que eu achava sobre a introdução da alimentação solida antes dos 6 meses. A minha resposta foi: não tem necessidade.

O Leite Materno, como a maioria das pessoas sabe e a OMS recomenda, é o alimento mais importante e completo que o bebê pode receber e deve ser ofertado, quando possível, por no mínimo 6 meses. Mas não é só por isso que devemos esperar.

Em um artigo do Dr. Sears, ele lista 6 motivos pelos quais não se deve oferecer alimentos sólidos antes dos 6 meses. São eles:

  1. O intestino do bebê precisa estar maduro o suficiente para receber alimentos. Por volta de seis a sete meses de idade, o intestino está mais maduro e é capaz de filtrar mais dos alérgenos ofensivos e impedir que vão para a corrente sanguínea. Quando houver histórico de alergia alimentar, a introdução deve ser adiada.
    .
  2. Bebês até 4 meses possuem um reflexo de empurrar com a língua para prevenir engasgos e asfixia. Qualquer coisa que é colocada na língua é projetada para fora da boca. Entre 4 e 6 meses esse reflexo diminui.
    .
  3. O mecanismo de deglutição do bebê é imaturo. O bebê ainda não está preparado para coordenar a língua e a deglutição. Antes de quatro meses de idade, mecanismo de deglutição de um bebê é projetado para trabalhar com a sucção, mas não com a mastigação.
    .
  4. Eles precisam ser capazes de sentar.  A alimentação é uma interação íntima, e os bebês muitas vezes associam o ritual de alimentação com adormecer nos braços ou no peito. Apresentar alimentos sólidos é uma forma menos íntima e mais mecânica de entrega de alimentos. Ela exige que o bebê se sente em uma cadeira – uma habilidade que a maioria dos bebês desenvolvem entre cinco e sete meses. Não é indicado que se ofereça comida ao bebê semi-sentado (como na foto). Ele tende a rejeitar.
    .
  5. Bebês não tem “mecanismos” para mastigar. A saliva produzida na erupção dos dentes possui enzimas que ajudam a digerir os alimentos, e os dentes geralmente nascem após 6-7 meses. Mesmo que os dentes nasçam antes, existem outras razões pelas quais é aconselhável esperar. Por outro lado, a falta dos dentes não impede que bebês comam.
    .
  6. Bebês maiores gostam de imitar os adultos. Por volta de seis meses de idade, os bebês gostam de imitar o que vêem, o que torna este um momento melhor para a introdução de alimentos sólidos. Ele vai querer mastigar um vegetal que você está comendo em frente à ele.
    .

Alguns pediatras ainda indicam outros alimentos antes desse período, mas não consigo ver algum motivo para isso salvo exceções, como: a mãe precisa trabalhar e não consegue ordenhar leite suficiente para a criança passar o dia. (Com a Bruna eu voltei a trabalhar aos 4 meses e consegui manter o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses pois trabalhava somente 6h e mandava LM congelado para o berçário).

Para quem tem condições (não trabalha/possui licença maternidade de 6 meses + férias/conseguiu amamentar), não tem porque se dar ao trabalho de começar a introdução alimentar. O bebê geralmente não está preparado para isso.

***
Aqui em casa a introdução sempre foi trabalhosa e eu pretendo oferecer alimentos para a Alice com o método BLW, que funcionou para a Clara. > Veja aqui o post Pesquisar Diferentes formas de apresentar os alimentos ao bebê #BLW <, porém sem pressa e sem horários rígidos.

Essa é uma fase difícil e minhas filhas sempre caíram na curva de peso após a introdução alimentar. A amamentação deve continuar para garantir os nutrientes necessários para o bebê.

Estou preparando um post sobre isso, mas pretendo sentar e comer com ela, no ritmo dela. Deixá-la experimentar alimentos além da amamentação, em um primeiro momento sem pressa e necessidade de substituir a refeição.

Bjsss

imagem:shutterstock

Sobre Aninha

Mãe de um trio de meninas: Bruna (6), Clara (4) e Alice (2). Dedico meu tempo à minha família e ao LookBebê. Antenada, adoro redes sociais e tecnologia e mais ainda, compartilhar conhecimento e informações sobre a maternidade. Sou (fui) Biomédica, pós-graduada em Engenharia Biomédica, mas optei por mergulhar de cabeça na maternidade.