Existem diferentes método de ensino: construtivista, sócio-construtivista, montessoriano, entre diversos outros, mas qual é a diferença entre eles?!

Contei no post “Reuniao na escola – projeto pedagógico aos 3 anos” que a escola da Bru utiliza o método socio-construtivista, mas eu não sabia muito bem a diferença e quais eram os demais métodos. Pedi à Ágatha Mota, uma amiga pedagoga, que nos contasse um pouco mais – mas de forma simples – as principais diferenças nas linhas de ensino.

20140220-111636.jpg

Cada escola se apropria de uma ou mais linhas pedagógicas para se trabalhar o dia a dia dos alunos.

Linha construtivista

Uma escola construtivista é focada em interação onde todo aprendizado é necessariamente mediado pois ele deve ser antecipado ao que o aluno ainda não sabe e “nem é capaz” de aprender sozinho. É, na verdade, uma troca entre o ‘professor e o aluno’, ‘o aluno e os amigos’ e o ‘aluno e o meio’. O professor tem o papel de mediador/tutor pois ele irá orientar o aluno a como e onde buscar o conhecimento observando o meio e entrando em contato com o que já foi descoberto. Dessa forma, o aluno resolve o “problema” baseado no que ele já sabe e também na troca de experiência com os colegas gerando assim uma socialização, uma vez que ele não é detentor de todo o conhecimento e sim de parte dele.
Matematicamente seria como “inteligência é igual a atividade”, pois não é apenas sentar e escutar e sim produzir (atividade) gerando o conhecimento (inteligência).
Como o aluno interage e socializa com os amigos, terá uma melhor participação em trabalhos em grupo.
Para o professor não é somente propor uma tarefa mas sim propor algo que desafie o grupo. Não se trabalha mais somente o “eu” mas sim o “nós”; não existem erros, mas sim aprendizados que não levaram ao um resultado satisfatório. Isso também diminui a ansiedade do acerto, pois mostra ao aluno que errar não é ruim, que ele não precisa acertar sempre; O erro é apenas um desvio do resultado mas que também gera um resultado não esperado que pode ser aproveitado para algo ou até mesmo para dizer aos colegas que aquele não é o melhor caminho ou não é o mais rápido.
O professor por outro lado tem que trabalhar de forma não cronológica, pois tem que mostrar que um fato existiu na história e que por causa de uma atitude desencadeou outro fato e com isso ele passa a usar recursos como reportagens, filmes, etc. O método de avaliação do aluno costuma ser constante, pois a cada momento o aluno está aprendendo algo novo.

Linha Montessoriana

Uma escola Montessoriana valoriza a educação pelos sentidos e pelo movimento para estimular a concentração e as percepções sensório-motoras do aluno, pois acreditam que todo aluno tem dentro de si o potencial criador que permite que elas mesmas conduzam o aprendizado e encontrem um lugar no mundo. A valorização do aluno está em desenvolver o senso de responsabilidade e de adquirir autoconfiança, normalmente levam em conta personalidade do aluno incentivando o individual e o aprendizado.
Normalmente as turmas possuem alunos com idades diferentes na mesma sala sendo agrupados de 2 em 2 anos até os 11 anos, que é quando a turma passa ser agrupada em 4 anos. Enquanto estiverem sendo agrupados de 2 em 2 anos o professor é único e polivalente, no período de 4 anos tem-se um professor específico para cada disciplina.
O professor desta linha é apenas apoio, pois o trabalho deles é tirar os obstáculos para que o aluno se corrija e adquira autoconfiança. Não existe provas formais, e os alunos são avaliados a cada tarefa.

Linha Waldorf

Uma escola Waldorfiana estuda o ser humano em seus três aspectos: o físico, a alma e o espírito, com o ideal de integrar esses 3 itens na vida do aluno. O ensino teórico é sempre acompanhado pelo prático, com grande enfoque nas atividades corporais, artísticas e artesanais, de acordo com a idade dos estudantes. Desta forma serão seres humanos capazes de se resolverem sozinhos, darem sentido e direção às suas vidas.
O ensino nessa linha é dividida em ciclos de 7 anos, onde no primeiro ciclo é enfatizado o desenvolvimento psicomotor, fase dedicada principalmente às atividades lúdicas, o que não inclui o processo de alfabetização. No segundo ciclo já se tem a alfabetização e a educação dos sentimentos de forma que os alunos adquiram maturidade emocional. E terceiro e último ciclo nesse o aluno já exercita o pensamento e fazer uma análise crítica do mundo.
A partir do segundo ciclo não existem professores, mas sim tutores que são referências de comportamento e disciplina no qual o aluno deva se espelhar. No terceiro ciclo o tutor continua com os alunos, porém são adicionados professores especialistas. Ao invés de várias disciplinas serem oferecidas simultaneamente ao longo do ano, o conteúdo de uma única matéria é visto em 4 semanas.
As avaliações são baseadas em atividades diárias.

Linha Tradicional

Uma escola tradicional coloca o professor como figura central e o aluno como espectador, ou seja, ele fala e o aluno tem obrigação de “aprender”. Para esse modelo o aluno depende justamente da bagagem de informação que ele conseguiu adquirir dos conhecimentos consolidados transmitidos pelo professor. O aluno é considerado um receptor de informação, pois as aulas são totalmente expositivas baseadas em memorização da informação.
Nesse modelo o que é transcrito pelo professor é tomado como verdade absoluta não tento espaço para questionamento.
A avaliação é feita por provas que visam medir a quantidade de conhecimento que foi memorizada e quem não alcança a pontuação mínima é reprovado e deve cursar a mesma série novamente.

Linha Freiriana

Uma escola baseada na ideias de Paulo Freire, tem aspectos culturais, sociais e humanos levados em conta. Porem há distinção na forma de ensinar pois implica no professor ouvir o aluno e ajudá-lo ensinando a ter respeito, tolerância e curiosidade. Cada aluno é educado de forma a transformar seu mundo interno e externo buscando para isso atingir a felicidade pessoal.
O foco deste tipo de educação está no diálogo como recurso indispensável no processo de educação, de forma que, todos devem ter direito à fala em uma relação de mútuo respeito voltada para nos conduzir de uma situação de passividade à proatividade.
A avaliação é constante e não há provas como nas avaliações tradicionais.

Espero que tenha ajudado a escolherem a melhor linha de ensino para seus filhos de acordo com o que a familia acredita.

Bjos!!

Aninha

Sobre Aninha

Mãe de um trio de meninas: Bruna (6), Clara (4) e Alice (2). Dedico meu tempo à minha família e ao LookBebê. Antenada, adoro redes sociais e tecnologia e mais ainda, compartilhar conhecimento e informações sobre a maternidade. Sou (fui) Biomédica, pós-graduada em Engenharia Biomédica, mas optei por mergulhar de cabeça na maternidade.