Ooiii Pessoal!!

Tudo bem???

Na semana passada, a Ru, uma prima (prima do marido na verdade) publicou uma foto do “Quadro do merecimento” do filho dela, João Pedro de 5 anos e meio e adorei a idéia.

Há alguns anos eu já havia visto no Super Nanny, mas ver assim na prática meeeesmo, nunca.

Pedi que ela me contasse o que aconteceu, o que a fez adotar a “técnica” do quadro e como funciona, e reproduzo abaixo o que ela me contou.

O João Pedro é uma criança muito inteligente, então não é todo tipo de atitude educativa que surge efeito com ele. Já tentei de conversas, cantinho do castigo e até as tradicionais palmadinhas (a Lei da Palmadinha está revogada aqui em casa), porém como a argumentação é umas das táticas dele, que por sinal é muito bem elaborada para uma criança de 5 anos, na maioria das vezes ele “vence”.
Aqui em casa já usamos o Quadro do Merecimento, que funciona da seguinte forma:
Registramos num quadro as vezes em que ele cumpriu as regras ou se comportou. Todo fim do dia, sentamos com ele e avaliamos seu comportamento. Se cumpriu o combinado, ganha estrelinhas no quadro, por exemplo. No fim de semana, conforme o que alcança, ele têm um prêmio que ja foi acordado antes.
Porém desta vez foi diferente: ele não está se comportando e fomos até chamados na escola, você acredita?!!! No dia anterior ele ja havia aprontado com os coleguinhas da escola numa festinha no Habib’s e no outro dia na escola, então mudamos a tática, tiramos dele o brinquedo que ele mais gosta, no caso dele aqueles bichinhos.
Fiz o quadro e expliquei pra ele que se ele cumprir as regras no final da semana vamos devolver alguns (não todos e aqueles que ele menos gosta), assim ele terá que conquistar novamente os brinquedos.
A orientadora da escola nos deu a dica de reforçar o lado bom dele e não ficar falando que ele aprontou etc. Então estamos fazendo isso, reforçando as qualidades dele, já que a fase agora é dele nos desafiar sempre, pois está encontrando seus limites.
Ana, no dia do Habibs eu fui a única mãe que fez o filho pedir desculpas para a faxineira do local que estava limpando a bagunça deles e fiz ele ‘catar’ também. Quero ensinar para os meus filhos o respeito ao próximo, o limite do certo e errado e suas consequências. Quero criar cidadãos com a ética e o caráter de uma pessoa de bem, só isso.
Peço todos os dias sabedoria para Deus e Nossa Senhora para dar o melhor de mim, não financeiramente, mas sim de amor e caráter. Espero estar fazendo o certo, mas sei que estou fazendo com muito amor.
Ru, obrigada por dividir com a gente essa experiência!!!!
A idéia inicial era eu contar pra vocês parte dessa história, mas achei o relato dela muito bom e resolvi colocar na íntegra. O João Pedro realmente é um menino muito inteligente, esperto, além de muitoo carinhoso.
É sempre bom para alertar a todos e dar dicas, afinal, aprendemos assim: fazendo, errando, acertando e olhando ao redor. E sempre tiramos alguma lição dessas situações como a que ela relatou: Apesar de toda dificuldade na educação, fazemos melhor do que muitas famílias por ai… e infelizmente temos que tentar que nossos filhos dêem bons exemplos aos amigos, já que muitos não tem a devida educação em casa.
Seria tão mais fácil se educação e bons hábitos fossem comuns em todos os lares, né?! Pouparia nossos filhos de má influência e, a nós, de tanto desgaste. Se cada um fizesse sua parte…. Isso pode ser notado nos menores atos como: uma criança no berçário/escola que usa chupeta o tempo toooodo e acaba deixando nossos filhos com vontade de chupar também, sendo que você passou meses ou anos evitando esse hábito ‘horrível’ (já comentei aqui que a Bru usa chupeta sim, mas para dormir. Um amiguinho de 2 anos do prédio desce para brincar de chupeta e a babá com a fraldinha no ombro… tsc tsc tsc). 
Mas faz parte né gente?! Então “bora” fazer nossa parte!
E vocês, já usaram o quadro do merecimento? Bjinhos!!!! 
Sobre Aninha

Mãe de um trio de meninas: Bruna (6), Clara (4) e Alice (2). Dedico meu tempo à minha família e ao LookBebê. Antenada, adoro redes sociais e tecnologia e mais ainda, compartilhar conhecimento e informações sobre a maternidade. Sou (fui) Biomédica, pós-graduada em Engenharia Biomédica, mas optei por mergulhar de cabeça na maternidade.