No post de hoje conto como foi tirar a chupeta aqui em casa, tardiamente aos 3 anos. A segunda filha nasceu quando a primeira tinha 2 anos e 2 meses e tivemos que adiar esse processo, mas chegou a hora e começamos reduzindo o uso (chupeta só para dormir) e depois mostrando como os dentes estavam ficando tortos.

A maioria de vocês sabe que a chupeta sempre foi nossa aliada aqui em casa, mas a Bru é uma das poucas crianças do prédio que nunca desceu pro playground de chupeta, muito menos com a fraldinha pendurada enquanto brincava. EU sempre achei aquilo muito feio, mas hoje entendo que cada criança tem suas necessidades e história familiar.

Comecei a vender as chupetas divertidas e ela sempre queria uma de cada… de bigode, de dentões, de porquinho, de caveira.. teve todas.

Ela só usava a chupeta para DORMIR até os dois anos, mas depois do nascimento da Clara eu perdi a mão. Acho que por ter menos tempo por causa da loja, do blog, e as duas, quando ia ver ela já estava assistindo desenho no iPad com a chupeta na boca a manhã inteira. #FAILMOM eu sei.

TENTATIVA FRUSTRADA

Nos meus planos esse post deveria ter acontecido após o aniversário da Bruna de 3 anos, em novembro. Foi a data limite dada pela odonto-pediatra quando ela passou em consulta poucos meses antes. (Sim, tiramos super tarde por conta do nascimento da Clara. Com a pequenina pretendo tirar antes!)

Negociamos com ela por algum tempo (talvez 1 ou 2 meses) e ela havia prometido parar de chupar chupetas se ganhasse o “aniversário de Doutora”. Pois comprei tudo nos EUA, marido trouxe, fiz uma festa linda e no mesmo dia a noite ela se recusou a parar.

Com medo de forçar e ter que voltar atrás, preferi fazer uma retirada gradual e não insisti muito. Percebemos que deveria ser no momento certo, e ela ainda não estava no tempo dela.

Começamos então a proibir a chupeta durante o dia e obrigá-la a tirar assim que abrisse os olhos. De vez em quando ela pedia mais cedo, fazia manha, queria assistir desenho e fomos firmes em não deixar mais. Só na cama e no carro.

Foram dois meses diminuindo o uso da chupeta e permitindo somente a noite.

TERRORISMO

 Também comecei a fazer um certo terrorismo com a realidade: Criança que chupa chupeta tem dentes tortos e pra frente. Dei um Google e comecei a mostrar fotos pra ela. A primeira vez ela achou feio, mas não se importou muito. Tudo bem, leva um tempo mesmo.

Eventualmente ela dormia sem chupetas.

Aí fomos pra Brasília no aniversário das primas dela de 4 anos (uma delas usou chupeta e largou aos 3 anos). O exemplo de não ter crianças usando chupeta e crescidas deve ter ajudado um pouco. O assunto também surgiu com a minha comadre (madrinha da Bru), e ela sempre estava presente. Eu iria esperar a hora dela, mas claro, fazendo o possível para que ela não quisesse mais chupar. Quando ela pedia a chupeta fora de hora, a dinda também falava que ela não devia chupar mais chupetas e que não era hora. Foi mais um incentivo (uma pessoa de “fora” que ela gosta e admira).

Mostrei essa foto linda dela (no nosso evento de amigo oculto) e falei que os dentes dela estavam ficando “com um buraco” por causa da chupeta.

bruneca hipoglos

SUCESSO

Ela assustou e disse que não ia chupar. Quando voltamos de Brasília ela comentou com o Bre (pai) no carro que o dente dela “tinha um buraco”. Tirei mais uma foto e falamos (de novo) que o buraco iria diminuir se ela largasse as chupetas. Ela já estava sem chupetas desde o dia anterior.

20140107-114048.jpg

A noite ela ficou sem – por incentivo nosso. Perguntou se a manta (que ela adora) ela podia manter, e é claro, deixamos. Acordou feliz da vida que tinha dormido sem chupetas. Começamos a adotar o lema do AA “um dia de cada vez”.

Na noite seguinte a mesma coisa: sem chupetas e acordou comemorando. E mais um, e mais dois dias. No quarto dia, dormiram todos na minha cama e no meio da madrugada ela alcançou a chupeta da Clara e FLOPT! Colocou na boca! Foram umas 3 chupadinhas mais gostosas da vida…. hahahah eu arranquei na hora! Ela começou a choramingar, fiz correndo uma mamadeira e dei. Ela mamou, dormiu pesado de novo e o sucesso continuou. E ela nem sabe que chupou a chupeta proibida da irmã.

Viajamos para Minas no Natal, e ela contava para as avós que o buraco estava diminuindo e que ela não usava mais chupetas. A cada nova pessoa, ela se gabava! Era a novidade do ano! Cada noite a mais era uma comemoração.

Fomos visitar uns amigos na semana passada, e quando ela viu que não tinha contado pra eles, ela queria voltar!!! Vocês viram o vídeo?

[KGVID width=”1280″ height=”720″]http://www.analumasi.com.br/wp-content/uploads/2014/01/20140107-114019.mov[/KGVID]

Depois de quase 20 dias sem chupetas, propus de jogarmos todas fora. Ela estava firme e forte na decisão e não iria voltar atrás. Assim foi. Peguei o pote de chupetas e dei pra ela.

Na hora ela disse: Cadê a chupeta de bigode pra jogar também? \o/ Corri na bolsa, peguei a bigode, coloquei no pote e pronto. Fomos na lixeira de recicláveis do nosso andar e ela jogou!

20140107-102954.jpg

Reparem no video abaixo a felicidade pela libertação das chupetas, seguida da tristeza de não tê-las mais por perto!!!

[KGVID poster=”http://www.analumasi.com.br/wp-content/uploads/2014/01/20140107-102938_thumb0.jpg” width=”1280″ height=”720″]http://www.analumasi.com.br/wp-content/uploads/2014/01/20140107-102938.mov[/KGVID]

Logo depois ela perguntou porque ela tinha que jogar fora, e eu expliquei que ela não usa mais, então era hora de jogar.
E assim vivemos sem chupetas, felizes para sempre. hehehehe

MENTIRA! hahahah Quero dizer, parte disso mentira.

Continuamos sim sem chupeta, mas não felizes para sempre. Nos últimos dias ela teve algumas crises de birra, ficou chaaaaaaataaaaa, e JURO que a vontade era tacar uma chupeta na boca dela pra acalmar, mas como eu não sou de voltar atrás, aguentamos firmes e fortes às crises de abstinência.

E ai, vocês conseguiram tirar a chupeta com quanto tempo? Foi rápido, indolor? Demorado? Sofrido?

Bjosssss

Sobre Aninha

Mãe de um trio de meninas: Bruna (6), Clara (4) e Alice (2). Dedico meu tempo à minha família e ao LookBebê. Antenada, adoro redes sociais e tecnologia e mais ainda, compartilhar conhecimento e informações sobre a maternidade. Sou (fui) Biomédica, pós-graduada em Engenharia Biomédica, mas optei por mergulhar de cabeça na maternidade.