1 comment

Chupeta. Aquele acessório – geralmente de silicone – usado por alguns pais e condenado por outros, para acalmar o bebê.

Aqui eu nunca condenei, mas nos primeiros dias da Bruna eu queria evitar. Acabamos cedendo à facilidade de ter um objeto que ajudava nas horas mais tensas de choro.

Comprovadamente “bicos artificiais” são causadores de desmame precoce, mas graças a Deus aqui em casa nunca atrapalhou (em relação à amamentação, e não por exemplo a dentes tortos).

Com a chegada da Clara aos 2 anos e 2 meses da Bruna, o uso da chupeta foi estendido até os 3 anos, quando conseguimos mostrar a ela o quanto os dentes estavam espaçados e feios. Com a Clara resolvi que tiraria a chupeta antes. Na verdade ela mesma largou e nós aproveitamos pra dar fim. Foi um processo bem fácil pois ela ainda mamava no peito, aos 1 ano e 7 meses.

No post que eu escrevi aqui no blog – “O que eu tiro primeiro: o peito ou a chupeta?” – eu comentei que ela não fazia o peito de chupeta. Na época não fazia.

O problema foi: Minha funcionaria teve alguns problemas e começou a não vir, depois pediu demissão e vivemos 3 meses de caos entre: não ter empregada, a Clara não ir à escola, trabalhar em casa com o blog e lojinha, levar a Bruna para a escola quase sempre atrasada, conciliar tudo isso e no final do ano ainda lidar com uma mudança. Resumindo: Trocava refeição por peito, suco por peito, choro por peito. Eu me perdi. ela se perdeu e nós duas perdemos o sossego. Não tinha rotina pois eu estava com funções acumuladas e eu sei que a culpa era minha, mas era tão mais fácil dar o peito e “calar” ela que ela emagreceu e eu fiquei exausta.


Com o início de gravidez do terceirinho(a) e o cansaço acumulado por causa da organização da casa e mudança (como contei aqui) eu fiquei esgotada. No dia seguinte ao esgotamento (que eu nunca senti igual em gravidez nenhuma), a Clara mamava e não me largava. Eu tentava colocar ela no sofá, e ela chorava e pedia peito. Não pensei duas vezes. Fui no estoque da lojinha, peguei uma chupeta pequena e ortodôntica (porque a Soothie meu marido já tinha tentado sem sucesso cerca de um mês antes), e ela agarrou a chupeta e sossegou. Dessa vez, e somente dessa vez, dei ouvidos ao marido, sogra e aproveitei a presença de todos e da minha mãe para parar de amamentar. Foram dois anos super curtidos, mas eu precisava cuidar de mim. Eu sei que a amamentação não atrapalha o bebê na barriga, não faz mal e quem diz que é contra-indicado em condições normais é mal informado, mas era a nossa hora. Não foi um desmame natural dela, mas foi quando precisei e depois de muito tempo curtido e bom pra nós duas.

Dois anos sem infecção, sem UM antibiótico sequer. E me orgulho disso. Pode ser sim que tenha atrapalhado um pouco a alimentação, mas mais por falta de organização e rotina minha do que pelo aleitamento em si.

Já falei de quanto curtimos a amamentação nos posts: “Amamentação do bebê após um ano” e “1 ano e 3 meses de amamentação“.

Nesse dia em que dei a chupeta, passei limão no peito a noite pra ela achar ruim. Ela insistiu, colocou a boca e depois tirou. Tomou mamadeira e dormiu cansada. Na madrugada minha mãe levou pra minha cama e ela mamou umas 4x até eu acordar. Confesso que foi um saco. Acho que eu precisava disso pra ver que realmente já tinha dado pra mim. Eu precisava de um sono decente a noite. Se eu me empenhasse em fazê-la dormir sem mamar de madrugada eu sei que daria certo, como já fiz e contei aqui, mas depois eu não dei continuidade. A verdade é que eu não queria mais me empenhar e nem perder horas da madrugada de sono. Não era mais necessário.

IMG_7786

No dia seguinte eu não dei mamá durante o dia e dei uma vez antes de dormir. No final da tarde do dia seguinte estava um pouco empedrado e dei pela ultima vez para desobstruir meu peito. No final das contas foram 2 noites que a minha mãe cuidou dela de madrugada, depois outras duas do marido, e no quinto dia eu levantei a noite pra dar mamadeira pra ela. Depois minha sogra veio e também ajudou na madrugada, mas hoje SE ela acorda, é UMA vez durante a noite. As vezes só resmunga, as vezes pede tetê (mamadeira) e as vezes fica me chamando. Deixo uma mamadeira com água na mesinha dela e é só misturar o pó, e pronto. Ela toma dormindo.

Eu não tomei remédio para parar de produzir o leite, só fui espaçando as mamadas. Entre as duas últimas acho que foram mais de 24h. Eu também estava tratando a sinusite com antibiótico, então pode ser que tenha ajudado a não produzir demais.

IMG_7551

Já se passaram mais de 10 dias e quando ela pede mamá eu explico que acabou, mas que eu sempre tenho colo pra ela. Dou colo até ela acalmar e depois o tetê na mamadeira. Como ela já achava “legal” tomar tetê na mamadeira igual a irmã, não foi tão tenso como poderia ser. A chupeta fica no quarto e ela usa geralmente a noite, mas se está muito cansada e chatinha durante o dia eu também deixo ela usar.

Ela está comendo beeeem melhor, mas se deixar ela toma vários tetês no dia. Quando dei a chupeta eu ainda não tinha decidido tirar o peito de vez, e eu pensei que escreveria um post sobre a volta da chupeta e depois outro sobre o desmame, mas as duas coisas estão totalmente ligadas já que eu me apoiei na volta da chupeta, a presença das avós e na mamadeira para conseguir o desmame sem muito drama.

Bommmmm pessoal, é isso!!! Foi muito bom durante os dois anos que durou. Agora só quando o baby novo nascer (estamos com 12 semanas!!)

Bjssss

Sobre Aninha

Mãe de um trio de meninas: Bruna (6), Clara (4) e Alice (2). Dedico meu tempo à minha família e ao LookBebê. Antenada, adoro redes sociais e tecnologia e mais ainda, compartilhar conhecimento e informações sobre a maternidade. Sou (fui) Biomédica, pós-graduada em Engenharia Biomédica, mas optei por mergulhar de cabeça na maternidade.